quarta-feira, 17 de junho de 2015

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

Bom dia, já leu o Expresso Curto Bom dia, este é o seu Expresso Curto
João Vieira Pereira
Por João Vieira Pereira
Diretor-Adjunto
 
17 de Junho de 2015
 
Como enfiar um grego num tubo de ensaio e alugar uma casa em Luanda 

Bom dia, 

Desde já as desculpas pelo atraso neste seu Expresso Curto, hoje já bastante frio. Problemas técnicos impediram que este fosse enviado a horas. Estamos a fazer tudo para que não volte a acontecer.

Vamos ao dia. Como enfiar um grego num tubo de ensaio?

É fácil. E não é piada. Basta pegar num país em crise no meio de uma Europa desestruturada, juntar-lhe um governo de rutura, agitar bem e esperar que a direita os acuse de nada fazerem para poderem viver à custa e a esquerda os defenda como se fossem o povo mais mal tratado e inocente do mundo.

Colocaram 11 milhões de gregos num tubo de ensaio, numa daquelas máquinas que giram muito rápido, e carregaram no botão. Agora é sentar e assistir. O espetáculo não é bonito.

Tsipras foi ao parlamento grego, onde gosta de ser o mais radical possível, acusar o FMI de ter responsabilidade criminal na situação grega. Diz que não paga se não houver acordo, mas também que “as verdadeiras negociações estão a começar agora”. Por sua vez Jean-Claude Juncker acusou o governo grego de deturpar, perante o povo grego, as propostas apresentadas pela Comissão Europeia durante as negociações. Com acordo ou sem acordo, com euro ou sem euro, são os gregos que mais sofrem. A economia está em queda e a corrida às caixas multibanco já começou. Só na segunda-feira foram levantados 400 milhões de euros, o dobro do que é normal.

A Europa está dividida entre considerar os gregos heróis ou vilões. Não há meio-termo. Exagero? Basta ler os jornais de todo o mundo. Os Les Echos, um dos jornais mais influentes em França, publica um editorial onde defende que a Grécia não colapsou devido à sua dívida mas à política económica e que, por isso, “ceder quanto às reformas seria encorajar estratégias de extorsão dos outros estados”.

Fez ou não a Grécia tudo o que devia? Depois do economista italiano Francesco Giavazzi ter escrito num texto no FT que a “Grécia escolheu a pobreza, deixem-nos seguir o seu caminho”, Karl Whelan, professor de economia em Dublin respondeu no blogue Bull Market. Vale a pena ler os dois artigos. Sobre o mesmo tema Daniel Oliveira escreve que a Grécia está no beco europeu. Por cá o Expresso Diário diz que o governo acha que a Tsipras está a fazer ”chantagem” num “jogo inadmissível”.

Divididos estão também os investidores. De acordo com o ultimo estudo do Bank of America junto de gestores de fundos, 43% acredita numa solução positiva para a Grécia contra 42% que apostam num default mas sem sair do euro. Só 15% acreditam num Grexit.

Mas a meu ver, se quiser mesmo perceber o que está em causa na questão grega não perca o artigo de Martin Wolf no Financial Times. E para acompanhar ao minuto tudo o que se passa use este link.

Mais difícil do que a meter 11 milhões de gregos num tubo de ensaio parece ser alugar uma casa em Luanda. A capital de Angola foi considerada, mais uma vez, a cidade mais cara do mundo onde, por exemplo, o custo de alugar um apartamento de 3 assoalhadas é de 15.800 dólares por mês. No ranking das 10 cidades mais caras, indicadas no estudo da consultora Mercer (pode ver aqui), não há nenhuma da União Europeia. A boa notícia é que Lisboa está na posição 145. Caíu aos trambolhões do lugar 94. No Expresso Diário, Henrique Raposo escreve sobre a cidade onde um melão custa 93 euros.

Pires de Lima quer fazer em tempo recorde o que sucessivos Governos não conseguiram fazer em 15 anos: vender efetivamente a TAP. Não é no dia de S. nunca, mas no dia de S. João que será assinado o acordo de venda da companhia. Quinze dias depois da decisão tomada em Conselho de Ministros. Pires de Lima espera que com a assinatura acabe o “clima de insinuações” sobre o processo de venda da companhia e se acelere o processo, que terá de passar ainda em Bruxelas.

Exatamente para passar em Bruxelas, o Sr. Barraqueiro anda a tentar provar a todo o custo que é ele que vai comprar a TAP e não David Neeleman. Humberto Pedrosa diz ter 600 milhões para injetar na TAP. “O consórcio Gateway tem dinheiro fresco disponível para colocar no capital da TAP e isso consta na documentação entregue na proposta com que concorremos e que ganhou esta privatização”. Só podíamos andar todos distraídos. Afinal havia o Humberto para comprar a TAP. Pelos vistos não está neste negócio só para que o não comunitário David Neeleman possa contornar a legislação europeia e comprar a TAP. Está bem, está. Mostrem lá os contratos e os acordos parassociais assinados e depois falamos.

Já António Costa comparou as promessas do Governo sobre a privatização ao caso BES. Veja se ele tem razão.

O líder do PS que dá hoje uma entrevista ao Público onde diz que quer reduzir ou acabar com o outsourcing de algumas funções do Estado, nomeadamente competências jurídicas. Afirma que entradas na função pública só por substituição de saídas, que quer pôr termo ao conflito em torno das obras públicas, que vai reanimar a construção através da reabilitação urbana e reduzir o IVA na restauração para criar empregos. Sobre o caso Sócrates continua o silêncio. 


OUTRAS NOTÍCIAS

22 milhões de euros para fazer mais 16 mil operações nos próximos seis meses. A medida é de Paulo Macedo que quer acelerar as cirurgias a cancro da mama e próstata, hérnia discal, artroplastia da anca e cataratas.

Esta quarta-feira começa depois das onze da noite uma greve do metro de Lisboa, mais uma, que dura o dia todo de quinta-feira. A Carris diz que vai reforçar o número de autocarros. O Diário Económico fez as contas e escreve que os transportes públicos fizeram sete meses de greves em sete anos.

Baku dá sorte. Já éramos bons na canoagem (duas vezes prata), no triatlo (prata), no ténis de mesa (ouro). E agora somos também no taekwondo. Rui Bragança conquistou mais uma medalha de ouro, a segunda para Portugal nos jogos europeus que decorrem no Azerbaijão.

Contra todas as expectativas, sem Ronaldo, Portugal bateu ontem a Itália. Não o fazia há 39 anos. Valeu um golo de Éder, o primeiro pela seleção.

Num ano em que tudo correu mal ao Montepio, a administração da Caixa Económica Montepio Geral recebeu mais 27% em 2014 do que no ano anterior. O Negócios conta-lhe como.

Nos EUA há mais um ‘penetra’ na mais do que provável luta entre um Bush e um Clinton pela Casa Branca. É “podre” de rico, mediático, excêntrico e conhecido pela sua cabeleira loura. Donald Trump anunciou que é candidato a ser candidato pelo partido Republicano. Desta vez diz que é a sério.

A festa foi grande na Califórnia onde os Golden State Warriors ganharam ontem o seu primeiro título da NBA em 40 anos derrotando na final os Cleveland Cavaliers.

Em Espanha, o PSOE não vai realizar primárias por falta de candidatos. A consequência imediata é que o atual líder, Pedro Sánchez, será o candidato do PSOE nas próximas eleições. Esta seria a primeira vez que não filiados no partido poderiam participar nas primárias.


FRASES
“No mesmo dia da Batalha de Waterloo há uma reunião do Eurogrupo e as conversações sobre a Grécia parecem ter chegado a um beco sem saída. A partir daqui, diz-se, ou o governo grego verga ou a Grécia sai do euro”, Rui Tavares, Público

“A Farfetch pode ser um negócio de vários milhares de milhões de dólares de faturação por ano. O mercado a nível global da moda de luxo apenas online é de cerca de 50 mil milhões de dólares”, José Neves, fundador da Farfetch, Jornal de negócios


O QUE DIZEM OS NÚMEROS
80,24 anos é a esperança média de vida à nascença em Portugal. Desde 2002 este valor cresceu quase três anos. Os valores foram divulgados ontem pelo INE e mostram uma subida generalizada neste indicador, quer para os homens, quer para as mulheres. Embora seja o género feminino que lidera com um esperança de vida de 83,03 contra 77,16 do sexo masculino.

83,5 é índice de renovação da população em idade ativa. Trocado por miúdos, quer dizer que … não há miúdos suficientes a entrar no mercado de trabalho. Ou seja, que a população ativa entre os 20 e 29 anos está 16,5% abaixo da população entre os 55 e os 64 anos. Em 2004 havia 1,3 jovens por cada sénior no mercado de trabalho.Se este número não o impressiona então fique a saber que em 2004 havia 1,07 idosos por cada jovem. Dez anos depois há 1,4.

Mil milhões de dólares é a quanto valem os Blackhawks, a equipa americana de hóquei no gelo que conquistou na madrugada de terça feira a sua terceira Stabley Cup em seis anos, a prova rainha da modalidade. A equipa de Chicago valia pouco mais de 250 milhões de dólares quando começou esta série de vitórias. Veja aqui o ranking (2014) das equipas mais valiosas.


O QUE EU ANDO A LER
A rapariga do comboio. Na verdade não ando a ler. Ainda. Está na mesa de cabeceira à espera que lhe pegue. Dei só uma espreitadela. Ontem à noite. O thriller psicológico escrito por Paula Hawkins conquistou os principais rankings de venda. Está há 21 semanas no topo da lista de vendas do The New York Times, tendo sido apenas ultrapassado na última semana pelo novo livro de Stephen King que entrou diretamente para número 1.

A obra vendeu mais de 2 milhões de cópias em apenas dois meses, tornando-se um dos livros mais rápido de sempre a vender tanto. E os direitos cinematográficos já foram comprados pela DreamWorks. A tradução foi colocada há venda em Portugal no passado dia 8 de junho.

Este não é o primeiro livro de Paula Hawkins. É o quinto. Mas é aquele que lhe mudou a vida. Como muitos escritores estava a pensar desistir e mudar de vida para conseguir pagar as contas no fim do mês. Agora não sabe ainda bem o que fazer a tanto dinheiro. Filha de um jornalista e em tempos jornalista económica, talvez daqui o meu interesse imediato pelo livro, a escritora criou uma personagem que personaliza o anti-herói. Divorciada, alcoólica, desempregada, agarra-se à habitual viagem de comboio (que fazia para o antigo emprego) durante a qual se vicia a observar da janela a vida de um aparente perfeito casal que vive numa casa perto de uma estação. Se gosto do género, não perca primeiro esta crítica. E depois o livro.

Tenha uma excelente quarta-feira.