quinta-feira, 16 de julho de 2015

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

Bom dia, já leu o Expresso Curto Bom dia, este é o seu Expresso Curto
Martim Silva
Por Martim Silva
Editor-Executivo
 
16 de Julho de 2015
 

NAI 229 OXI 64, a fórmula grega 


Bom dia,
Tsipras ganha o Parlamento mas arrisca perder o Syriza. A frase diz tudo e está na capa do Público desta manhã, poucas horas depois dos deputados terem dito e votado "Nai" ao terceiro resgate grego. Uma semana depois do "Oxi" do povo, os parlamentares, já era madrugada em Atenas, deram o sim ao resgate de 86 mil milhões. Mas não foi uma aprovação fácil. Longe disso.
Os desenvolvimentos da última noite foram acompanhados ao minuto no Expresso online. Horas antes do debate, em frente ao Parlamento, confrontos violentos fizeram pelo menos seis feridos e meia centena de detidos. Incidentes que fazem temer que as coisas possam não ficar por aqui.
A Joana Bastos explica aqui, no artigo “O 3º resgate: violência, lamentos, capitulações e ‘genocídio social’, tudo o que se passou. Nomeadamente como metade dos 64 votos contra vieram precisamente do Syriza (incluindo Varoufakis) e como Tsakalotos confessou que o dia em que chegou a acordo com os credores foi o “mais difícil” da sua vida.
Sobre as possibilidades de sucesso do novo programa na Grécia, leia a análise do Pedro Santos Guerreiro, escrita já esta madrugada: "O Syriza já está destruído, podemos agora salvar a Grécia?"


OUTRAS NOTÍCIAS
Cá dentro,
-José Guilherme faltou à chamada da Comissão de Inquérito ao caso BES. Lembram-se? O Ministério Público investigou a falta mas agora, de acordo com o Negócios, decidiu arquivar a investigação (sobre se teria havido crime de desobediência) ao empresário que deu uma prenda de 14 milhões a Ricardo Salgado.

-Ainda sobre Ricardo Salgado, o ex-patrão do BES aposta na descredibilização do Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, como estratégia de defesa. Este tema faz hoje capa do Diário Económico e DN.

-E já que falamos de Carlos Costa, de referir que o regulador da banca e Carlos Tavares, da CMVM, continuam às turras. Agora é por causa da solução para os lesados do papel comercial do BES.

-Por causa de um processo de uma dívida de 5800 euros, o Fisco penhorou a casa de José Sócrates em Lisboa, noticia o Correio da Manhã.

-Professora atirou cadeiras e ameaçou alunos que lhes furava os olhos se a denunciassem, titula o i, a propósito do caso da professora condenada a seis anos de prisão.

-António Costa mantém-se na sua e recusa antecipar a decisão sobre quem é que o PS vai apoiar nas Presidenciais. A ideia é mesmo só escolher um candidato depois das legislativas.

-O Museu do Chiado abriu alargado e com polémica. Barreto Xavier foi assobiado e vaiado na inauguração. O secretário de Estado da Cultura falou ao Expresso para criticar os “espíritos pequenos” que alimentam a polémica em torno da propriedade da chamada Coleção SEC - que esteve na origem da demissão do diretor do museu lisboeta na semana passada.

-Em Portugal já está o presidente de Moçambique, Nyusi. Sobre as relações entre os dois países e as oportunidades de investimento em África, vale a pena ler a entrevista do antigo primeiro-ministro Machungo.

-Depois das acusações de falhas na correção do exame de português do 12º ano, o IAVE respondeu, para garantir que as alegações não fazem sentido.

- Em pleno caso Lava Jato, o caso de corrupção que está a abalar o Brasil, um encontro secreto no Porto entre a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, o ministro brasileiro da Justiça e o presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro está a levantar suspeitas e a dar polémica no Brasil. Neste caso bem se pode dizer que “what happens in Oporto doesn’t stay in Oporto”.

-Marinho Pinto estava em risco de perda de mandato, por ter mudado de partido. Estava, mas já não está. O Parlamento disse que nada pode fazer, que há um vazio legal e limitou-se a sugerir mudanças legais, no futuro, para prevenir outros casos do género.

-Mário Cláudio é o vencedor do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de escritores (APE).

-O início da nova época anda marcado pela chegada de Casillas. E de Carbonero. Parecia que a companheira do guarda-redes não queria vir para o Porto, mas depois afinal já queria. Explicação para o que aconteceu? O Palmeirim tem.


Lá fora,
-Nos EUA, a meio de uma conferência de imprensa dedicada ao acordo nuclear para o Irão, um jornalista perguntou a Barack Obama se tencionava retirar ao cómico Bill Cosby, a enfrentar acusações de violação, uma medalha de mérito atribuída pela Administração americana em 2012. O Presidente americano disse que não há forma de retirar a dita medalha mas foi implacável: “Se alguém droga alguém para ter sexo sem consentimento, a isso chama-se violação”.

-A Vox explica em três minutos o acordo sobre o programa nuclear do Irão. Vale a pena ver.

-As fantásticas imagens da sonda New Horizons da superfície de Plutão, tiradas bem perto da superfície do planeta, estão a correr mundo e a surpreender os cientistas. Montanhas, falésias, vales desfiladeiros são algumas das surpresas que a fotos tiradas revelaram.

-No Japão, o Parlamento prepara-se para aprovar uma lei que permite, pela primeira vez em 70 anos, que soldados japoneses possam combater fora do seu território. O tema é polémico, basta conhecer a história do Japão no último século, e já deu origem a protesto populares.

-Sobre a China e as suas estatísticas de crescimento da economia vale a pena ler este artigo do The Economist. Noutro registo, fique a saber que em Xangai vai abrir uma Disneylândia para o ano. A principal atracção é uma montanha-russa supre radical.

-Já ouviu falar dos Mínimos? Os pequeninos bonequinhos amarelos fazem furor em todo o mundo e o filme vai estrear por cá para a semana. Ora, como tudo ou quase tudo dá para polémicas, agora surgiu uma a propósito do facto de todos os mínimos serem do género masculino. Porque não há mínimas? O realizador dá aqui uma resposta deliciosa: “eles são tão burros e tão estúpidos que nunca poderiam ser do género feminino”.


NÚMEROS
6
Hoje começa mais uma edição do Super Bock Super Rock, de regresso a Lisboa. Os especialistas da Britz recomendam seis concertos que vale mesmo a pena ver nos próximos dias ali para os lados do Parque das Nações.

1,5
mil milhões de euros é o astronómico total de dívidas que o universo Mota-Engil chegou a ter ao Banco Espírito Santo. Esta semana no Expresso Diário estamos a publicar um conjunto de trabalhos precisamente sobre quem eram os grandes devedores ao BES.

3,2
Mais de três mil milhões dólares é quanto vale o clube desportivo mais rico do planeta. É o Real Madrid e joga lá o português Cristiano Ronaldo. Na Forbes pode saber quem são os outros (e não, não são todos de futebol).

20
Anos de vida já leva a Amazon, um dos maiores retalhistas do planeta. Já faturou mais de 400 mil milhões de dólares. Mas os lucros? Cerca de 2 mil milhões.


FRASES
“Schauble é o maestro da orquestra afinada que é o eurogrupo”, Yanis Varoufakis, ex-ministro das Finanças Grego, em entrevista ao DN.

“Não tendo origem na vida partidária, disponho de maior liberdade para dialogar com todas as forças sociais e políticas" e até "celebrar compromissos de futuro para Portugal”, Sampaio da Nóvoa, ontem ao final do dia, ao apresentar a sua Comissão de Candidatura, que conta com Eanes, Sampaio e Soares

“Discutir hoje o efeito que a prisão domiciliária de Armando Vara pode ter no resultado das legislativas é o mesmo que tentar descobrir para onde vai um punhado de grãos de areia quando se aproxima uma tempestade no deserto”, João Garcia, diretor da Visão


O QUE EU ANDO A LER
Já em contagem decrescente para as férias, deixei de lado livros de história, ensaios, biografias e afins. É hora de outras leituras. Como Herzog, uma das mais importantes obras de um dos mais importantes escritores americanos do último século, Saul Bellow.

Ainda sobre clássicos, eu que adoro listas, partilho esta convosco, que vi no The Independent, sobre quais os 12 livros mais populares de sempre. Experimente fazer mentalmente uma selecção antes de olhar para aqui.

Na revista Visão que hoje está nas bancas dois artigos me chamaram a atenção. Bem lembrado o “Eclipse do Banco de Fomento”, sobre aquela instituição maravilhosa que ia empurrar a economia nacional para cima e ajudar a distribui melhor os dinheiros comunitários. Pelos vistos, tudo continua muito atrasado. E muito atrasado é mesmo um eufemismo.

Depois, as impressionantes histórias de sobrevivência na luta contra o cancro, que fazem capa da revista. “Laura Ferreira, a tratar um tumor no joelho, mostrou pela primeira vez a cabeça numa visita oficial, ao lado de Pedro Passos Coelho, e logo se levantou um imenso falatório. Como se a queda do cabelo não fosse dos primeiros efeitos da quimioterapia, como se ‘normal’ fosse esconder a “doença prolongada”, escreve a Teresa Campos.

Por hoje é tudo, tenha uma grande quinta-feira.