quarta-feira, 2 de setembro de 2015

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

João Vieira Pereira
Por João Vieira Pereira
Diretor-Adjunto
 
2 de Setembro de 2015
 


Tudo o que precisa saber sobre como não vender um banco 



Bom dia,

Este é o seu Expresso Curto. O meu primeiro regressado de férias. E nada melhor para celebrar do que aterrar em pleno novo episódio da novela da venda do Novo Banco.

Afinal a Anbang, aquela que teria a melhor proposta, não foi a eleita para comprar a parte boa do ex-BES. Falhadas as negociações, (o Jornal de Negócios diz hoje que foi por falta de acordo sobre o valor do aumento de capital do banco que vai ser necessário fazer), o Banco de Portugal anunciou que iria começar a falar com o segundo classificado. Só que ao contrário do que todos pensavam esse lugar era ocupado pelo outro fundo chinês, a Fosun. A Apollo fica mais uma vez em lista de espera.

Desde que começou este folhetim só uma coisa é certa: a informação flui ao estilo do Banco de Portugal: pouca ou nenhuma. Como se não fosse já estranho que um regulador esteja a vendar um regulado, a confusão é ainda pior com a falta de transparência em todo o processo.

As dúvidas são mais do que muitas. Porque falharam realmente as negociações com a Anbang? Quanto ofereciam pelo Novo Banco? E quanto oferecem os outros? O que está a fazer o BNP Paribas contratado para vender o banco? Por muito secretismo que estes processos tenham de ter, quando se trata de dinheiro público devia haver, pelo menos, uma melhor explicação do que se passou. É uma questão de bom senso.

O senhor que se segue é Guo Guangchang, considerado, aos 48 anos, um dos 10 homens mais ricos da China. Em Setembro do ano passado o Expresso publicou um perfil seu com o sugestivo título “Quem é o empresário que está a comprar Portugal?”. Vale a pena reler aqui.

O Governo continua a dizer que os contribuintes não serão chamados a pagar qualquer prejuízo com a venda do Novo Banco. As palavras de Maria Luis Albuquerque são taxativas. “Digo o que sempre disse: os contribuintes não serão chamados a cobrir prejuízo”. Explique lá outra vez! É que se o Fundo de Resolução é financiado em parte pelo imposto extraordinário que os bancos pagam, dinheiro que sendo cobrado em forma de imposto devia entrar como receita nos cofres do Estado, como é que os contribuintes não pagam?

Continuo na China, para dar conta de algo que pode prejudicar ainda mais a venda do Novo Banco. É que a constipação do dragão já se transformou em gripe. E o vírus está a alastrar ao resto do mundo. O índice que mede a actividade industrial na China caiu abaixo dos 50 pontos, o mesmo que dizer recessão. Depois de um Agosto vermelho para esquecer, Setembro não recebeu as bolsas com melhores perspectivas. Os analistas falam em meltdown com as praças americanas a acentuar as perdas da Europa e da Ásia. E hoje os índices das praças asiáticas abriram de novo em queda.

É que as más notícias da indústria na China, repetem-se na Europa e nos EUA. Além disso o Canadá está oficialmente em recessão, as exportações da Coreia do Sul caíram quase 15% e Christine Lagarde avisou já que o crescimento mundial deverá ser mais baixo do que o esperado.

É juntar estes ingredientes numa panela, mexer bem e temos bolsas outra vez em pânico e o petróleo de novo em forte queda e de novo abaixo dos 50 dólares (isto depois de ter recuperado mais de 20% em apenas três dias).

Para quem foge à procura de uma vida nada disto importa. Alemanha, Alemanha, Alemanha! Gritavam centenas, talvez mais de mil de pessoas ontem à porta da principal estação de comboios de Budapeste, exibindo bilhetes só de ida. As autoridades Húngaras fecharam a estação, acabando por a reabrir mais tarde mas sem permitir a entrada aos migrantes.

Ontem todos os caminhos pareciam ir dar à Alemanha. Só na passada segunda-feira este país registou a entrada de mais 3500 refugiados. Vale a pena rever os acontecimentos num fantástico trabalho do The Telegraph.

Mas hoje vão dar de novo ao Reino Unido. Já de madrugada a circulação do Eurotunel teve de ser suspensa depois de vários migrantes terem invadido as linhas e subido para cima dos comboios.

O Comissário Europeu para a Migração e Assuntos Internos, Dimitris Avramopoulos, afirmou que o novo plano da União Europeia para fazer frente ao flagelo humanitário deverá ser apresentado na próxima semana. Avramopoulos adiantou à Reuters que alguns dos países mais relutantes a aceitar migrantes estão a mudar de ideias porque perceberam que “este não é um problema de outras países mas também deles”.

Para finalizar este tema não pode mesmo perder a reportagem, agora em versão multimédia, de João Santos Duarte na fronteira entre a Hungria e a Sérvia, onde está a ser construído um novo muro da vergonha. E já agora espreite este trabalho que explica e crise dos migrantes em 90 segundos.

Catarina e Jerónimo. Assim começaram os debates televisivos entre os líderes dos partidos que concorrem às próximas eleições legislativas. E como seria de esperar não foi Catarina contra Jerónimo, mas antes Catarina e Jerónimo contra todos os outros.

Houve uma espécie de tréguas entre dois partidos condenados a nunca se entenderem para passarem ao ataque à coligação e, claro está, ao PS onde mais facilmente podem ir buscar votos. Se perdeu o debate, Rosa Pedroso Lima faz aqui um resumo de tudo o que precisa de saber sobre a conversa de café amigável entre Dupond e Dupont.

A não perder é a viagem aos melhores debates televisivos. Um texto de Henrique Monteiro e Ricardo Costa publicado originalmente em 2014 na Revista do Expresso e agora republicado (para já só a primeira parte) no site do Expresso.

OUTRAS NOTÍCIAS
Rui Rio escreve hoje um artigo de opinião no Jornal de Notícias onde diz que só em Outubro decide se é ou não candidato às eleições presidenciais.

Sport TV e Meo estão mais perto de uma acordo depois de a primeira ter ameaçado cortar o sinal por não chegar a acordo com a PT sobre os valores que devia receber pela disponibilização do serviço. Para já, e até ao final de Setembro, tudo continua na mesma já que um acordo pode ser assinado nas próximas semanas.

A comissão eleitoral do Reino Unido pediu a David Cameron para mudar a pergunta sobre o referendo (ainda sem data marcada) que decidirá a permanência na União Europeia. E o primeiro-ministro já disse que aceita a recomendação. Assim os britânicos em vez de responderem com um simples ‘sim’ ou ‘não’ à pergunta ‘Deve o Reino Unido continuar como membro da União Europeia?’, irão responder à questão ‘Deve o Reino Unido continuar como membro da União Europeia ou sair da União Europeia?’. E neste caso a resposta terá de ser uma escolha clara entre ‘Continuar como membro da União Europeia’ ou ‘Sair da União Europeia’. A alteração surge depois das fortes críticas à pergunta no referendo escocês que alguns consideravam que favorecia um dos lados.

Francisco, o Papa, não deixa de surpreender. Desta vez ordenou que se desse o perdão a todos os arrependidos. Presos por qualquer crime, mulheres que praticaram o aborto ou mesmo os mortos com pecados por expiar podem ser perdoados. E nem é preciso ir a Roma.

Começa hoje oficialmente a 72ª edição do Festival de Veneza. Como habitualmente o Expresso acompanha o evento e terá todos os dias no Expresso Diário crónicas de Jorge Leitão Ramos.

A Nova Zelândia vai mudar de bandeira e divulgou as quatro propostas finais. A população será agora chamada a pronunciar-se sobre qual a bandeira que querem numa consulta que decorrerá entre o final de Novembro e princípio de Dezembro. Seis meses depois haverá nova bandeira.

O último mercado para as transferências de futebol (Reino Unido) fechou oficialmente ontem. O Observador fez as contas: 2,61 mil milhões de euros gastos nas cinco principais ligas. Claro que foram os clubes ingleses que lideraram e só a Premier League bateu todos os recordes ao gastar mais de 1.300 milhões de euros num ano.

A grande surpresa acabou por ser a contratação do jovem francês de 19 anos Anthony Martial pela módica quantia de 49 milhões de euros, valor que pode no futuro chegar aos 80 milhões. É a transferência mais cara de sempre de um jogador tão jovem e tem o dedo do inevitável Jorge Mendes.

Na Grécia, (não nos podemos esquecer do tema que mais marcou 2015), Tsipras parece estar a perder vapor. O líder do Syrisa que chegou a ter uma taxa de aprovação superior a 70% está agora nuns singelos 29,5%. Mas o pior é que o seu partido também tem perdido intenções de voto com as sondagens a colocar a Nova Democracia à distância de apenas 3 pontos.

Terça-feira, dia 1 de Setembro de 2015, também foi o dia em que a Google anunciou o seu novo logo. Se não deu por isso, veja aqui a evolução do mesmo ao longo de 17 anos.

Para finalizar relembro que ontem foi publicada em Diário da República a lei que aumenta a licença obrigatória a gozar pelo pai aquando do nascimento de um filho de 10 para 15 dias úteis. Pena que não tenha efeitos retroactivos… dava-me jeito.

FRASES
“Não quero dizer nada que possa prejudicar as negociações” António Costa sobre o fracasso das primeiras negociações para a venda do Novo Banco.

“A questão está em saber o que quer o PS fazer pelo País e não o que queremos nós fazer pelo PS”, Catarina Martins sobre uma possibilidade de coligação com o Partido Socialista.

“A 'Primavera de Atenas' foi esmagada por razões que não têm nada a ver com a política de esquerda do Governo grego. A EU rejeitou e denegriu políticas de mero bom senso, umas atrás das outras”, Yanis Varoufakis

O QUE EU ANDO A LER 

Ainda mal regressado de férias continuo mergulhado num dos últimos romances de Haruki Murakami - 1Q84 (2). O segundo volume de uma trilogia absolutamente genial. Abri o livro como uma espécie de preparação para a publicação em versão inglesa de um livro que reúne os seus primeiros dois romances – Hear the wind sing e Pinball, 1973.

Se conhece a escrita de Murakami sabe que não pode perder estas obras. Se ainda não, aconselho a começar não por um romance, mas pelo seu livro sobre... corrida. A tradução do título em Português é bastante infeliz: “Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo”. Por isso fiquemos com o título em inglês: “What I talk about when I talk about running”. Um livro simplesmente fantástico sobre como a corrida pode mudar aquilo que somos. Se ficou com curiosidade não perca este texto recentemente publicado no The Guardian sobre a obra.

Por hoje é tudo mas não se esqueça que o Expresso é também hiperactivo e por isso não gosta de ficar parado. Já está aí o nosso Snapchat (Snap-Expresso) e a operação de WhatsApp para as legislativas no número 966281213. Tem que colocar o número nos contactos do seu telemóvel e depois enviar-nos por WhatsApp uma mensagem com a palavra ‘subscrever’. A sério só arrancamos na sexta de manhã, mas já pode espreitar e dizer-nos de sua justiça.

Resta-me desejar uma ótima quarta feira.