quinta-feira, 10 de setembro de 2015

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

Bom dia, já leu o Expresso Curto Bom dia, este é o seu Expresso Curto
Pedro Santos Guerreiro
Por Pedro Santos Guerreiro
Diretor Executivo
 
10 de Setembro de 2015
 

O debate não salvou o PS, salvou a campanha 


Há um truque que os médicos usam para ver se alguém se está a fingir de morto: levantam-lhe um braço e deixam-no cair; se a pessoa estiver consciente, um reflexo involuntário travará o braço a meio da queda – e o paciente inanimado denuncia-se. No debate de ontem à noite com António Costa, Passos Coelho não conseguiu continuar a fazer de morto, para deixar o PS a falar sozinho e a enredar-se nos seus próprios erros. E quando Passos usou o reflexo voluntário que tinha preparado, o de citar Sócrates, abusou tanto da tática que talvez tenha aniquilado a estratégia.

O debate que não ia servir para nada serviu afinal para uma coisa, escrevi eu ontem mal ele acabou, num texto onde pode ler que, na minha opinião, António Costa ganhou. Passos perdeu sem oferecer grande resistência, numa estratégia apática (ou numa apatia estratégica?) que falhou o provável propósito de esvaziar o debate. Falou-se pouco de futuro e muito de passado. E quando se quis aprofundar o relevantíssimo tema das pensões, plafonamento horizontal para cá, plafonamento vertical para lá e ninguém percebeu nada.

(Em três parágrafos. Plafonamento significa criar um limite tanto nos descontos dos trabalhadores para a Segurança Social, como nas pensões que esses trabalhadores irão receber quando se reformarem. Plafond quer dizer, aliás, teto em francês.

Plafonamento horizontal, como defende o PSD para novos trabalhadores, aplica-se apenas a ordenados mais altos, sendo definido um valor de salário a partir do qual os trabalhadores deixam de estar obrigados a descontar para a Segurança Social. Se, por exemplo, o Estado definir o plafond nos 2600 euros e o senhor Joaquim ganhar 3000 euros por mês, pode descontar para a Segurança Social apenas sobre os 2600 euros e optar por poupar a parte relativa aos 400 euros remanescentes em fundos privados. Toda a gente que ganhe até esses 2600 euros desconta integralmente para a Segurança Social. É isto que o PS acusa de ser a privatização da Segurança Social.

Plafonamento vertical aplica-se a todos os rendimentos, passando uma parcela dos descontos a ser feito não para o sistema público de pensões mas para fundos privados. Ganhem 3000 ou 600 euros, o trabalhador desconta uma parte para fundos privados. É isso que o PSD acusa o PS de estar a promover encapotadamente, quando propõe uma baixa da taxa contributiva para todos os trabalhadores, encorajando-os a poupar em fundos privados para complementar a pensão futura.)

O debate não foi muito bom mas foi muito relevante porque António Costa deu uma massagem cardíaca que reanimou os pobres corações dos socialistas, que estavam arrasados pela sucessão de erros, por uma comunicação social disposta a gozar com eles e por sondagens que dão a vitória à coligação de direita. António Costa tinha uma única oportunidade para evitar dar já a eleição como perdida. Aproveitou-a.

A poeta portuguesa Matilde Campilho disse há semanas em Paraty, no Brasil, que “a poesia não salva o mundo, mas salva o minuto”. Aproveito a música da frase: o debate de ontem não salvou o PS, mas salvou a campanha. Para começar, pelo despertar nas hostes socialistas, que entraram completamente desmoralizadas e acabaram em euforia. Eles não ganharam nada, só a noite, mas naquelas caras estava uma felicidade súbita que me fez lembrar uma frase do “Catcher in the Rye”, de JD Sallinger, em que o anti-herói Holden Caulfield descreve o professor que acaba de o humilhar: “Baixou o raio da folha e olhou para mim como quem tivesse acabado de me enfiar o raio de uma tareia em pingue-pongue ou coisa do género".

Quem ganhou, então?

A frase do debate acabou por ser “Porque é que não vai a casa de Sócrates debater com ele?” O Jornal de Notícias diz que Sócrates esteve “no meio de Passos e Costa”, a TSF qualifica que foi “um debate a dois com três protagonistas” mas é o jornal i que, em manchete, diz que o vencedor foi mesmo Sócrates: “Desta vez ouviu-se (e muito) o nome do elefante na sala”. Para Correio da Manhã, Costa bate Passos. O Económico considera que o líder do PS foi “mais eficaz” e, para Ferreira Fernandes, Passos levou “uma coça”. Na CMTV, Helena Garrido disse que não houve vencedores, o que tem o acordo da Reuters. No Observador, Helena Matos diz que foi “um empate”. Bagão Félix fala no Público de um debate com “muita eletricidade estática”, o que não é um elogio. O único a falar de uma vitória de Passos é o questionário aos leitores do Observador.

O PS não ganhou nada exceto um bilhete para uma nova etapa da campanha. A primeira fase acabou com uma abada dada pela coligação. A segunda fase começou depois do debate. E a tensão entre os partidos poderá degenerar em ataques, mas também poderá regenerar o debate.

Recupero uma frase das televisões: não a de Marcelo, que deu a vitória a Passos, nem uma de Relvas, que nasceu como comentador, mas de Mariana Mortágua, que disse na TVI que “a única coisa que o PS pode prometer é austeridade aos bocadinhos”, enquanto a coligação não oferece “nada além de mais pobreza e desemprego”. No debate de ontem, foi isso que se cristalizou. Que depois do empobrecimento anunciado veio a pobreza e que depois da pobreza virá a pobreza. Como uma fatalidade. Ou pior, como uma sorte. Afinal, cortaram pensões mas ainda há pensões, aumentaram impostos mas ainda há salário, emigrou-se mas já há mais emprego. É só isto? É que se não é, então expliquem que não é. Pode ser no próximo debate. Se fizerem favor. Já não falta muito. 


OUTRAS NOTÍCIAS
O presidente da Comissão Europeia quer todos os países da UE envolvidos no acolhimento aos refugiados. E deixou já claro que o sistema de recolocação de 160 mil requerentes de asilo deve ser obrigatório. Espanha garante que vai receber 15 mil refugiados, o Reino Unido mostra-se mais renitente.

Segundo o The Guardian, a ação militar britânica passará por ataques limitados na Síria, para afastar os líderes da ameaça terrorista do Daesh e promover uma transição de poder que manteria Bashar al-Assad como presidente durante seis meses. A Rússia confirmou já que tem assessores militares na Síria desde 2011 (no El Pais).

O New York Times debruça-se sobre a Polónia, defendendo que o país não deve fechar a porta a refugiados. E nós, no Expresso, continuamos em reportagem na Hungria, desta vez contando a viagem de Sam, o paquistanês que sonha com Portugal.

Na Grécia, as sondagens apontam para uma grande proximidade entre o Syriza e a Nova Democracia. O El Pais analisa os efeitos de um parlamento muito fragmentado.

Bebés podem deixar de ser vacinados contra a tuberculose, avança o DN. A incidência é baixa em Portugal, o que segundo a OMS pode dispensar vacinas exceto para grupos de risco. “Neste momento há 20 a 30 mil bebés que ainda não foram vacinados”, diz o jornal.

Os juízes em Portugal são preconceituosos, diz um relatório da ONU, citado pelo DN. O relatório aplaude ainda assim a independência dos magistrados.

Um estudo da Mercer divulgado pelo Negócios diz que as empresas estão a reduzir os valores dos salários médios, tanto no topo como na base. “As empresas começam a mostrar alguma disponibilidade para contratar, mas quase nenhuma para subir salários.”

O BCP rejeita fazer um aumento de capital para pagar empréstimo do Estado, noticia o Económico, o que contraria as previsões de vários analistas, como os da Société Générale. As ações do banco estão a afundar para o nível mais baixo em dois anos, estando perto da barreira dos 5 cêntimos, anota o Negócios.

Os lucros do Benfica caíram para metade na última época, fixando-se nos 7,1 milhões de euros, conta o Negócios. Os capitais próprios voltaram a estar positivos.

Será a doença de Alzheimer transmissível? O estudo acaba de sair na revista Nature. Pode ler a notícia no Le Monde.

O novo iPad está lançado. É rosinha. E cresceu.

Sofia Vergara é a pelo quarto ano consecutivo atriz mais bem paga do mundo. Saiba quem são as quatro seguintes na Forbes.

Chama-se Lydia Sebastian e alcançou 162 pontos num teste que, assim, sugere que o seu QI é superior ao de Albert Einstein. Lydia é inglesa e tem… 12 anos. A história está na CNN.


FRASES
“Costa ganhou, foi diferente na fúria”. Marcelo Rebelo de Sousa, na TVI.

“Nesta campanha eleitoral muito se tem falado da sustentabilidade do sistema da Segurança Social. Tem-se falado muito mas tem-se concretizado pouco, deixando-se para depois das eleições e, para um eventual pacto de regime, a especificação das medidas a tomar para fazer face a esse défice de mais de 600 milhões de euros.” Pedro Santana Lopes num texto escrito para o Negócios antes do debate de ontem à noite.

"A única forma de acabar com isto é destruir o Estado Islâmico", afirma Luis Amado no DN.


O QUE EU ANDO A LER
O Expresso. Sim, hoje é assim mesmo, recomendo os especiais do Expresso sobre as eleições, um trabalho que se desmultiplica em diversas iniciativas, rubricas e plataformas. Além do noticiário, que pode ler compilado aqui, recomendo para começar “Nós, portugueses: retratos de um país que vai a eleições”: 30 temas, 30 números e 30 histórias, uma por dia, até à véspera das eleições. Já estão publicadas sete e garanto-lhe que, se não gostar, devolvo-lhe eu próprio o dinheiro. Por exemplo esta: “Treze mil dias de mar”, da jornalista Raquel Albuquerque. Ou “Os 44 anos de um carocha que custou 60 contos e 56 escudos”. Ou sobre o cinema independente, pela jornalista Helena Bento: “Não estou a fazer sapatos nem salsichas - há mais qualquer coisa nisto.”

Que partido político é que está mais próximo de si? Faça o teste com a Bússola Eleitoral, um projeto que o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa lançou em parceira com o Expresso e a SIC, que ajuda os eleitores a identificarem o posicionamento político. Milhares já utilizaram.

Consigo ainda dava uma cambalhota!” é uma das histórias insólitas das campanha passadas, onde contamos também a célebre vez em que Soares beijou um anão pensando que era uma criança, o erro no PIB de Guterres ou o Carnaval de Santana. Do passado, recorde também os melhores debates televisivos de sempre em Portugal: aqui, aqui e aqui.

Pronto, e deixo a recomendação final para que nos siga no Whatsapp usando o número 96 628 12 13 (saiba como aqui) e no Snapchat através do utilizador snap-expresso (modo de utilização aqui). E para fechar, deixo uma citação do mesmo “Catcher in the Rye” já citado. Não é a minha frase preferida do livro, é a mais célebre, suponho, vem a propósito: “O que distingue o homem insensato do sensato é que o primeiro anseia morrer orgulhosamente por uma causa, enquanto o segundo aspira viver humildemente por ela.”

Tenha um dia muito bom.