sexta-feira, 23 de outubro de 2015

incandescências políticas...?

Se queres conhecer realmente alguém, dá-lhe poder. Ou então tira-lho.

Rute Sousa Vasco
A seguir à comunicação ao país do Presidente da República fiz um radar rápido às opiniões verbalizadas em sites e redes sociais. Uns acharam péssimo, outros acharam extraordinário. Tudo normal, a esquerda ficou mais irritada, a direita ficou mais aliviada (e vice-versa também, por incrível que possa parecer). Política "as usual". Até que os meus olhos pararam num comentário lido num mural onde um conjunto de pessoas elogiava o discurso de Cavaco Silva e sublinhava que agora, sim, Cavaco tinha voltado a ser o seu presidente. No meio dos elogios à qualidade do discurso e à forma como o presidente tinha posto António Costa na linha, deparo-me com um comentário que, concordando com a opinião expressa naquele mini-forum, fazia uma ressalva sobre Cavaco Silva: o facto de não lhe poder ser perdoada a decisão sobre a lei do aborto e o casamento homossexual. Pode parecer desajustado, mas foi exactamente aqui que eu parei. | Continuar a ler...

As escolhas de Rute Sousa Vasco


Falando em fundamentalismos, há qualquer coisa nas praxes que me evoca o imaginário de comunidades religiosas, líderes espirituais e experiências libertadoras e de purificação. Exagero, eu sei. Mas há lá qualquer coisa. Seja como for, Desobedecer à praxe é um livro que chega agora às livrarias e que vale a pena espreitar.

A BBC descreve Robert Menard como alguém que foi um jornalista, um socialista e um dos fundadores dos Repórteres Sem Fronteiras. Há 18 meses venceu as eleições na cidade de Beziers, no sul de França, com o apoio da Frente Nacional de Marine Le Pen. E num ano e meio tornou Beziers num dos bastiões da extrema direita. Vale a pena ler esta história.

E depois há os milagres. Ou como seis mil mulheres indianas que todos os dias apanham chá se uniram para fazer face a uma multinacional e ganharam. Pempilai Orumai.

Tema do dia

[Política] | Público

PS mandata Costa para chumbar Passos e concluir acordo com a esquerda

Secretário-geral do PS considera decisão de Cavaco "grave" e "inaceitável" e afirma-se mais determinado em concluir acordo com PCP, PEV e BE depois da declaração do Presidente.



via mensagem do sapo...