quinta-feira, 15 de outubro de 2015

informações [educação]... onomástica planetária...?

"2015-10-14 às 15:13

 
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ASSOCIA-SE À CAMPANHA «DAR NOME A NOVOS MUNDOS»


O Ministério da Educação e Ciência associa-se à campanha de apoio para a escolha de nomes portugueses para um sistema planetário (4 exoplanetas e uma estrela). A campanha «Dar Nome a Novos Mundos», disponível em http://www.iastro.pt/outreach/activities/darnomeanovosmundos/, decorre no âmbito de uma iniciativa inédita na história da astrofísica, lançada pela União Astronómica Internacional (IAU), que consiste numa votação pública para nomear 20 sistemas planetários já descobertos, entre os quais o sistema planetário mu Arae (nome da estrela do sistema), para os quais são propostos os nomes portugueses. 

Atualmente estes exoplanetas estão nomeados apenas com as letras b,c,d,e, de acordo com a ordem pela qual foram descobertos, como indicam as regras internacionais nesta matéria. 

Os nomes propostos por Portugal para a votação são Lusitânia, para a estrela mu Arae, e Adamastor, Esperança, Caravela e Saudade para os quatro exoplanetas deste sistema. Estes nomes foram propostos pelo Planetário do Porto em articulação com a Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica - Ciência Viva e o Observatório Astronómico de Santana, nos Açores, entidades portuguesas credenciadas para esse fim perante a IAU. 

A escolha destes nomes tem como objetivo associar a divulgação da astronomia à divulgação internacional da cultura e língua portuguesas. Esta proposta portuguesa rivaliza com outras propostas como Cervantes, Quixote, Dulcineia, Rocinante e Sancho (proposta espanhola que propõe o universo de Cervantes), ou Daikokuten, Ebisu, Bishimonten, Benzaiten e FukuroKuju (proposta japonesa que elege nomes de deuses cuja cultura nipónica acredita que trazem boa sorte). Todas as propostas podem ser consultadas em http://nameexoworlds.iau.org/systems/106 , página da IAU onde também pode ser feita a votação. 

A descoberta dos planetas do sistema planetário em órbita da estrela mu Arae teve um importante contributo nacional. Em 2004 o astrónomo português Nuno Santos, do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, detetou o mais pequeno planeta do sistema e de longe o mais pequeno detetado até à época (um marco na pesquisa de planetas extra-solares). A deteção e caracterização dos restantes três planetas teve igualmente, em 2007, uma importante contribuição por parte do astrónomo Alexandre Correia da Universidade de Aveiro. 

A astrofísica em Portugal tem aliás dado provas de grande competitividade internacional, sendo das áreas com maior produção científica. De lembrar também a recente eleição da investigadora Teresa Lago para o cargo de secretária-geral da União Astronómica Internacional para um mandato de três anos, entre Agosto de 2018 e Agosto de 2021. 

Para além disso, o envolvimento de Portugal nos grandes organismos internacionais na área do espaço, como o ESO ou a ESA, tem contribuído para um grande benefício industrial e para o aumento da competitividade e avanço tecnológico de empresas nacionais. 

O Ministério da Educação e Ciência compromete-se ainda a fazer chegar a todas as escolas da rede pública esta iniciativa, através da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares, contribuindo assim para uma sensibilização dos mais novos para a cultura científica no geral e para a astronomia em particular."


via portal do governo...