sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

continuando o dia... com a piada do dia...!

comentário:

é inacreditável que este tipo não tenha vergonha na cara quando, depois de uma 'saída airosa' que deixa nomeações definitivas com base em concursos ilegais e com aumentos inusitados de última hora, a utao, com base na avaliações dos relatórios de execução orçamental, se abalança a tal conclusão...  


PSD: Meta do défice ameaçada por fraca adesão de professores a programa de rescisões

PSD: Meta do défice ameaçada por fraca adesão de professores a programa de rescisões


via sapo...


"O anterior Executivo justifica redução drástica das 'almofadas' orçamentais identificada pela UTAO com a fraca adesão dos professores ao programa de rescisões.

Segundo explicou o social-democrata Duarte Pacheco, na dotação provisional "estava inicialmente previsto que houvesse um conjunto de professores que poderiam beneficiar do programa de rescisões amigáveis", o que diminuiria a despesa com pessoal. Porém, "não foram muitos os que recorreram", o que significa que se mantiveram no activo a ganhar os salários por inteiro, afirmou.

Assim, "essa verba tem de ser reforçada para fazer o pagamento desses salários", acrescentou Duarte Pacheco.

O deputado reagia ao relatório da UTAO que revela que o anterior Governo da coligação PSD/CDS-PP gastou, até Novembro, 630 dos 725 milhões de euros que podiam ser usados sem prejudicar o défice. Ou seja, a margem orçamental foi praticamente esgotada para acomodar os desvios orçamentais, restando apenas 61,2 milhões de euros.

Duarte Pacheco sublinhou que a meta do défice de 3% "é alcançável" desde que o actual Governo do PS "mantenha o rigor" até ao final do ano. "O comboio está em andamento para alcançar a meta e basta que o Governo não o faça descarrilar", considerou. No entanto, o défice de 3% viola o tratado orçamental e o objectivo do Executivo de Passos Coelho, assumido com Bruxelas, é de 2,7%.
   
O social-democrata lembrou que a dotação provisional serve para fazer face a despesas provisórias, não sendo gasta nos 12 meses do ano. "É para ser utilizada quando necessária", justificou.


O deputado salientou ainda que Novembro e Dezembro são meses importantes para a execução orçamental porque a receita fiscal aumenta com o pagamento do 13º mês aos pensionistas e trabalhadores do privado, o que também fará aumentar o consumo."



no diário económico em linha...