segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

Bom dia, já leu o Expresso Curto Bom dia, este é o seu Expresso Curto

Martim Silva
Por Martim Silva
Editor-Executivo
 
4 de Janeiro de 2016
 
A hora das Presidenciais
 
Bom dia e bom ano,

Ainda com a temporada de resoluções de Ano Novo a preencher-nos o espírito, aterramos hoje e em força nas presidenciais. Um tema que vai dominar o espaço mediático pelo menos até final do mês, com a primeira volta da eleição prevista para o dia 24. Esta semana, os dez candidatos (um recorde absoluto) andam a debater na televisão, ao ritmo alucinante de três frente a frente por dia.

Depois, segue-se o período oficial de campanha com as habituais caravanas a percorrer o país.

Dito isto, é quase impossível não reconhecer que esta pré-campanha está a ser uma sensaboria. Mas pode ser que agora a coisa anime.

Vamos ao cantinho das Presidenciais e avalie por si o andamento da campanha:

Ontem à noite Henrique Neto e Marcelo Rebelo de Sousa esgrimiram argumentos e o debate ficou marcado pelo ataque do antigo deputado socialista a Marcelo, acusando-se de ser responsável pelo estado do País. E questionando a atuação de Marcelo no antigo regime (algo que ainda não se tinha ouvido nesta campanha).

Ainda em relação a Marcelo Rebelo de Sousa, deu uma entrevista em que espelha de forma cristalina a sua estratégia de campanha, centrada em não fazer ondas e com a palavra “desdramatizar” como eixo central do discurso.

Já o confronto entre Marisa Matias e Maria de Belém centrou-se na atuação presidencial no caso do orçamento retificativo. As duas têm visões diferentes sobre o que fariam caso estivessem em Belém.

Por sua vez a corrupção foi um dos temas centrais no confronto entre Paulo Morais e Edgar Silva.

Depois de ter abandonado o primeiro debate televisivo em que participou, o candidato Cândido Ferreira decidiu apresentar queixas na CNE e na ERC.

Recomendo ainda dois textos publicados na última edição semanal do Expresso e que mantém toda a atualidade. “A relação entre Costa e Marcelo tem tudo para correr bem”, é o título da peça da Ângela Silva e Cristina Figueiredo.

E ainda a entrevista a Marisa Matias, que pode ler aqui,

Finalmente, hoje é dia de debate a dez, na rádio.

 
OUTRAS NOTÍCIAS
Cá dentro,
A imprensa de hoje faz eco da situação no FC Porto. Na primeira página, a Bola diz “Contestação a Lopetegui sobe de tom”, “Dragão a Ferro e Fogo”, afirma o Record. E o Jogo diz que “Lopetegui só sai pelo próprio pé”.

Mas este não é o único motivo de preocupação para Pinto da Costa. É que, como afirma hoje o DN, já foi deduzida a acusação no caso da contratação de segurança ilegal e o Presidente do Porto é um dos envolvidos.

António Costa vai avançar com uma comissão anti-branqueamento de captais, liderada pelo secretário de Estado Rocha Andrade, afirma o Diário Económico.

Vasco Cordeiro apresenta hoje a recandidatura à liderança do PS Açores.

A primeira edição do novo prémio na área da cultura, o Prémio Vasco Graça Moura, foi atribuído por unanimidade a Eduardo Lourenço.

 
Lá fora,
O ano começou marcado por novos focos de tensão no Médio Oriente. A Arábia Saudita anunciou dezenas de execuções. A embaixada de Ryad no Irão foi palco de manifestações pela execução de um clérigo xiita. Em resposta à resposta, a Arábia Saudita anunciou o rompimento das relações diplomáticas com o regime iraniano. Um tema a seguir com a maior atenção.

Neste artigo tenta contextualizar-se o conflito entre sunitas e xiitas e os receios da Europa e dos EUA perante a possibilidade de uma escalada de violência. Este do El Pais também vale a pena.

Depois de três meses de negociações para a formação de um governo na Catalunha, Artur Mas ficou sem opções e o caminho devem ser novas eleições na região espanhola.

Um novo vídeo alegadamente do Estado Islâmico mostra a execução de cinco pessoas e o extremista que nele aparece (alegadamente britânico) ameaça com a realização de novos atentados terroristas.

Quais devem ser os grandes temas internacionais de preocupação neste ano, pergunta o britânico Independent.

No início desta newsletter eu falei das resoluções de Ano Novo. Pois, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook revelou uma vez mais a sua resolução. Que em 2016 passa pela criação de um robot com inteligência artificial que possa ajudar em tarefas caseiras como ir ver se a criança que está a dormir está ok; ou que identifica os amigos que batem à porta.

O Dakar, que é na Argentina, teve a primeira etapa cancelada devido ao mau tempo.

 
NÚMEROS
2
Dois portugueses morreram vítimas de um acidente de viação em Espanha.

140
140 milhões é quanto Isabel dos Santos está disposta a dar ao BPI por 10% do BFA.

 
FRASES
"Há um problema que é o seguinte. Há duas campanhas simultâneas, a presidencial e as autárquicas em São João da Madeira. Talvez seja sensato não misturar a campanha partidária e a não partidária", Marcelo Rebelo de Sousa, justificando a ausência de Passos Coelho da sua campanha.

“Não começa bem. Mas 2016 pode ainda ser o ano que esperamos. Aquele em que se resolve de vez a instabilidade financeira, aquele em que a economia começa finalmente a criar os empregos”, Helena Garrido, no Jornal de Negócios

 
O QUE EU ANDO A LER
As tradições valem o que valem mas esta é uma que nos últimos anos temos vindo a instituir no Expresso e da qual confesso que sou admirador.

As 100 Perguntas para 2016 é uma lista cheia de dúvidas e cheia de interrogações e incertezas. Afinal, 2016 não se afigura nada fácil. Mas é bom ter este guia de leitura. Eu recomendo. Se não leu na última edição semanal do Expresso em 2015, deixo-lhe agora aqui os links para o fazer. Fique com um exemplos de algumas das perguntas de política (“O Governo PS dura até quando?”),
de economia (“Vamos ouvir falar de unicórnios?”),
de sociedade (“José Sócrates vai ser acusado e julgado?”),
de mundo (“Crise de refugiados na UE continua?”),
de desporto (“O Sporting vai ser campeão este ano?”),
de cultura (“O Spotify vai bater-se com os grandes?”),
e de tendências (“Vai continuar a mania da comida saudável?”).

Quanto a outras leituras, depois de me ter atirado ao magnífico quarto volume da biografia de Cunhal, por Pacheco Pereira, ando agora envolvido com a enleante, mística e intensa escrita de Salman Rushdie.

Assim termino o primeiro Expresso Curto do ano. Espero ir tendo a sua companhia ao longo de 2016. Tudo de bom.