sábado, 13 de fevereiro de 2016

as actualidades da educação... é que nem o miguel bombarda os auxiliaria...!

Bom dia: as escolas criticam o ministro simpático
O ministro da Educação acabou com os exames, as escolas gostaram? Ele dizia que sim. Elas dizem que não. Mais um desastre que pagam os alunos, escreve André Macedo

Quinta-feira, 11 de FEVEREIRO | 08:44
DN

1. O ministro que tem de aprender

O Conselho das Escolas, órgão consultivo do Ministério da Educação, defende a manutenção dos exames do 6.º ano e provas de aferição só nos 4.º e 8.º anos. No parecer, feito a pedido da própria tutela e aprovado ontem, quarta-feira, o órgão que representa as escolas mostra-se contra a aplicação das alterações já neste ano, como quer o ministro Tiago Brandão Rodrigues. O documento que vai ser enviado ao Ministério da Educação, e a que o DN teve acesso, mostra que, ao contrário das afirmações públicas do ministro - de que os diretores eram favoráveis a esta mudança na avaliação do básico e que percebiam a sua aplicação já neste ano letivo -, há reservas em relação a esta nova política de avaliação. Ou seja, é o que dá fazer tudo depressa e mal. Só os sindicatos aplaudem.







e mais...


DN Educação  
Escolas chumbam novo modelo de avaliação dos alunos



e como não querendo a coisa...


Bom dia: Alunos na escola o dia inteiro
Depois da enxurrada de números deste Orçamento do Estado tardio, tempo de olhar para o que este dinheiro vai fazer na prática, escreve André Macedo
Quarta-feira, 10 de FEVEREIRO | 09:27
DN

1. Escola o dia inteiro
Oferecer aulas de música, teatro ou desporto que mantenham os alunos de todo o ensino básico (até ao 9.º ano) na escola entre as 08.30 e as 19.30 é o objetivo do governo para os próximos quatro anos. O alargamento da escola a tempo inteiro - que já existe no 1.º ciclo - até aos 15 anos é uma medida que os pais, diretores de escolas e especialistas em educação aplaudem. Mas alertam para a necessidade de garantir uma ocupação do tempo de qualidade. A medida consta do programa de governo do PS e das Grandes Opções do Plano para a legislatura de 2016-2019. Ou seja, não deve acontecer este ano, mas nos próximos, se o governo durar...


no dn, em linha...



e muito mais haveria a acrescentar, digo eu...