terça-feira, 10 de abril de 2018

coisas... orçamentais e outras...!



Nesta edição, relembramos o próximo evento IPP, e damos a conhecer a última análise da execução orçamental no jornal Observador e os últimos artigos publicados no jornal Público.


Uma estratégia orçamental sustentável para Portugal 

Relembramos que é já amanhã às 18h no Auditório 2 do ISEG que decorrerá a sessão de lançamento do livro Uma estratégia orçamental sustentável para Portugal, da autoria de Paulo Trigo Pereira, Ricardo Cabral, Luís Teles Morais, e Joana Andrade Vicente.

> Consulte mais informações aqui.
 

Parceria IPP - Público

 
No âmbito da parceria IPP com o jornal Público (espaço semanal de opinião às segundas-feiras), damos a conhecer os últimos artigos:

. "Fogacho empreendedor?", por Pedro Manuel Costa (associado IPP), na edição de 2 de abril, sobre o estado atual do ecossistema tecnológico português, que já mereceu entretanto uma resposta por parte do CEO da Startup Portugal.

. "A sociedade civil europeia pede um caminho de crescimento sustentável, inclusivo e amigo o ambiente para a UE", por Luís Teles Morais (diretor executivo IPP) e Sabrina Schulz (Third Generation Environmentalism), na edição de 26 de março, sobre o sentido que se tem dado ao crescimento económico na Europa (no âmbito do projeto Dialogue on Europe).


. "A polémica do professor Passos Coelho e o estado da Ciência em Portugal", por Sofia Serra da Silva (investigadora associada IPP), na edição de 19 de março, sobre a contestação dos investigadores e docentes com o convite de Passos para o ISCSP. Destacamos o grande interesse que este artigo despoletou, tendo atingido cerca de 500 partilhas.

> Consulte mais publicações aqui.


Execução orçamental fevereiro


Na análise de fevereiro, Joana Vicente reforça que o défice de 2017 é o mais baixo da democracia (0,9%) apenas se não se contabilizarem os custos com a recapitalização da CGD (passando aí para 3%).

É do lado da receita (aumento de 4,7%) que permanece o maior contributo para a consolidação das contas, dado o aumento do emprego e crescimento económico, mantendo-se a tendência de maior crescimento dos impostos indiretos.

Em 2018 as despesas com pessoal serão um grande desafio, com a incorporação total da reposição dos salários e o descongelamento das carreiras - tendo em mente que já em 2017 esta rubrica derrapou.

O aumento registado no investimento (5%) continua a não ser suficiente, não devendo ser considerado meramente como uma variável de ajustamento.

Na área da saúde regista-se um novo aumento da dívida não financeira dos Hospitais EPE, mas deposita-se esperança na nova Estrutura de Missão para a Sustentabilidade Orçamental da Saúde, que permite fazer a ponte entre o Ministério das Finanças e o Ministério da Saúde.

> Consulte a notícia aqui.


Aniversário IPP

É já amanhã que o IPP celebra o seu 5º aniversário como associação sem fins lucrativos. Têm sido cinco anos de consolidação da imagem como think tank de referência em Portugal, capaz de uma intervenção forte no debate público, para melhorar a qualidade da definição e implementação das políticas públicas.

Este processo tem sido apenas possível graças ao apoio incondicional dos subscritores e associados do IPP, que possibilitam que o mesmo possa ser considerado uma referência nacional na análise e avaliação de políticas públicas nacionais e europeias, contribuindo cada vez mais com respostas eficazes e democráticas das políticas públicas no contexto desafiante e incerto que Portugal enfrenta.

> Caso ainda não seja associado do IPP e queira passar a contribuir de uma forma mais ativa, pode encontrar mais informações aqui.