terça-feira, 21 de julho de 2015

a actualidade do dia-a-dia, numa visão pessoal do jornalista...!

Bom dia, já leu o Expresso Curto Bom dia, este é o seu Expresso Curto
João Vieira Pereira
Por João Vieira Pereira
Diretor-Adjunto
 
21 de Julho de 2015
 

Três imagens e uma investigação obrigatórias 


Bom dia,

Há imagens que o mundo lhe oferece e que não pode simplesmente deixar de ver. Deixo-lhe três.

A primeira é de esperança. 54 anos depois a bandeira de Cuba voltou a ser hasteada em Washington com a reabertura da embaixada cubana nos Estados Unidos. Mais um passo no processo de restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países. A bandeira dos EUA só será exibida em Havana a 14 de Agosto aquando da visita do secretário de Estado John Kerry a Cuba.

A segunda vale milhões. Pelo ar. O polémico presidente da Fifa, Joseph Blatter, foi presenteado com uma chuva de notas numa espécie de espectáculo/crítica/comédia orquestrado pelo humorista britânico Lee Nelson. Não é a primeira vez que o artista faz este tipo de proezas. Já tentou aquecer com a equipa do Manchester City mesmo antes de um jogo oficial, voar com a selecção inglesa quando esta partiu para o mundial no Brasil, e invadiu o Pyramid Stage em Glastonbury para cantar com Kanye West.

Mas é esta nova proeza que o tornou capa dos jornais em todo o mundo. Já agora, Blatter estava a dar uma conferência de imprensa onde anunciou que as eleições para a Fifa serão em Fevereiro do próximo ano. Demissionário mas ainda presidente, esclareceu que não se irá candidatar. Michel Platini é visto agora como o mais provável sucessor.

A terceira imagem devia ser de esperança e valer milhões mas pode muito bem, no final, não ser nada disso. E ao 22º dia os bancos abriram. Aos poucos. O suficiente para a que a vida comece a voltar à normalidade na Grécia. Se tal for possível.

O dinheiro voltou a entrar para sair logo a seguir para os cofres do BCE e do FMI. Uma passagem rápida em Atenas apenas para fingir que tudo está bem.

Mas estará? Algo está pelo menos diferente quando François Hollande defende uma Europa a duas velocidades. A proposta do Presidente francês de um orçamento e de um Parlamento único, mas só para seis países tem, nesta altura, tanto de louco como de imprudente. Na ressaca das negociações com a Grécia a proposta francesa abre um novo fosso na Europa. Sobre o assunto vale a pena ler a opinião de Henrique Monteiro.

Paul Krugman deu uma entrevista a Fareed Zakaria onde arrasa o Governo grego. Afirma que sobrestimou a sua competência e diz-se chocado com o facto de Tsipras ter ido para as negociações sem um plano B. O prémio Nobel da Economia em 2008 diz ainda que a crise grega está longe de ter acabado e que no final a Grécia sairá mesmo do euro: “And I guess - my money, in some currency or other, is on exit one way or another”.

Outro dos textos que não pode perder sobre a Grécia é o do colunista do Financial Times, Wolfgang Münchau, que na linha de Krugman diz que Tsipras deitou tudo a perder ao capitular perante a Alemanha. O autor defende que o primeiro-ministro grego nunca deveria ter nomeado Varoufakis ministro das Finanças, mas que depois de o fazer deveria ter-lhe dado ouvidos e criado uma moeda provisória assim que os bancos fecharam. O que teria permitido à frágil economia grega continuar a funcionar nestas últimas semanas. Para Münchau, a única hipótese para a Grécia é a convocação de novas eleições e perante uma maioria mais forte iniciar o caminho de saída do Euro. Eleições que o Syrisa desmente. A nova porta voz do Governo diz que “não seriam úteis nesta altura e não está entre as intenções do Governo”.

E agora a investigação que mais tarde ou mais cedo teria que acontecer. O Ministério Público está a investigar o negócio de venda da Vivo à espanhola Telefónica e a entrada da PT na Oi. Segundo o Público a investigação recai sobre os movimentos financeiros que envolveram gestores da PT e governantes portugueses e brasileiros em 2010. Alguns dos intervenientes do negócio, que teve um envolvimento pessoal de José Sócrates e de Lula da Silva, estão hoje presos. José Dirceu e Octávio Azevedo foram detidos no Brasil no seguimento da investigação do escândalo “Lava Jato”. A Procuradoria-Geral da República já tinha confirmado ter recebido um pedido de cooperação judiciária internacional das autoridades brasileiras que investigam este processo.

“O ex-Presidente Lula da Silva não me veio meter nenhuma cunha”. É a reacção de Passos Coelho à polémica que o envolveu, de raspão, na investigação que a justiça brasileira abriu às relações entre Lula da Silva e a empresa Odebrecht.


OUTRAS NOTÍCIAS
Quem também está em crise é o ouro. O valor do metal amarelo atingiu um mínimo de cinco anos contra o dólar. A culpa é das taxas de juro. Perante as perspectivas de um aumento dos juros por parte da reserva Federal Norte americana, o primeiro em quase 10 anos, os investidores estão a desinvestir desta reserva de valor para comprar dólares. Um movimento que está a afectar também outras matérias-primas. Cobre, prata, petróleo, algodão, açúcar estão todos em queda.

É hoje a maratona de audições de Cavaco Silva aos seis partidos com assento parlamentar para que estes se pronunciem sobre qual a melhor data para a realização das eleições. A decisão será anunciada ainda esta semana.

Ainda sobre as legislativas, as listas de candidatos a deputados do Partido Socialista será decidida hoje à noite em reunião da Comissão Política. Para já os apoiantes de António José Seguro acusam António Costa de estar a fazer um “acerto de contas” num movimento de “razia ao segurismo”. O processo de elaboração das listas está a ser, no mínimo, polémico. Durante o dia pode acompanhar este tema no site do Expresso.

Em Espanha, o último lugar da lista do movimento Convergência e Esquerda às eleições regionais na Catalunha é ocupado por Pep Guardiola. Esse mesmo, o ex-treinador do Barcelona e actual treinador do Bayern de Munique. Guardiola, que não quer ser deputado e por isso não está numa posição que possa ser eleito, tem sido sempre um defensor do processo de independência da Catalunha.

O movimento impulsionado por Artur Mas reúne vários partidos que defendem a soberania da Catalunha, e que nas eleições terá o nome de “Juntos pelo Sim” ameaçou ontem que fará uma declaração imediata de independência se o Governo bloquear o processo que pretendem colocar em marcha após as eleições.

Junho de 2015 foi o Junho mais quente em todo o mundo desde que há registos. E o terceiro mês em que a temperatura mais subiu em relação há média. O primeiro e o segundo lugar são ocupados por Fevereiro e Março deste ano o que coloca os primeiros seis meses de 2015 como os mais quentes de sempre.

Na Turquia um ataque suicida fez pelo menos 30 mortos. O atentado ocorreu na cidade de Suruc, junto à fronteira com a Síria, durante uma conferência de imprensa de um grupo socialista que se preparava para levar ajuda humanitária à cidade de Kobani.

Só ontem ao fim da tarde terminou o The Open, o mais emblemático dos torneios de golfe que este ano regressou a St Andrews. A vitória sorriu ao norte-americano Zach Johnson depois de um playoff contra Marc Leishman and Louis Oosthuizen.

Comecei com imagens e termino com imagens. Deixo-vos com a escolha das melhores fotografias que resumem as últimas 24 horas de notícias feita pela Reuters.


O QUE DIZEM OS NÚMEROS
47,3 milhões de dólares é o valor das receitas de bilheteira do novo blockbuster. Em apenas oito dias este filme bateu todos os recordes dos filmes de Bollywood: Baahubali: the Beginning.

9 mil milhões de dólares é quanto a Lockheed Martin, a maior empresa de defesa por receitas acordou pagar para comprar a Sikorsky Aircraft.

53.650 desempregados inscreveram-se em junho no IEFP, mais 6% do que em igual período do ano passado. Mesmo assim o número total de inscritos nos centros de emprego continua em queda. Ainda sobre o tema do desemprego vale a pena conhecer a pequena guerra de palavras e números no Twitter entre Bruno Maçães, secretário de Estado dos Assuntos Europeus, e o Wall Street Journal.

485 milhões de euros. Mais um ano, mais umas centenas de milhões de euros que o Estado perdeu com o BPN. No total já são 2,7 mil milhões em dinheiro dos contribuintes.


FRASES
“Se quem pede o empréstimo e o vai gerir diz que aquilo não vai resultar, o melhor é não perdermos dinheiro. Eu direi, portanto, que é necessária uma atitude diferente da parte do Governo grego para que as coisas possam resultar”- Passos Coelho.

“Em casa éramos três irmãos e, quando lutávamos, o meu pai dizia sempre que o mais forte devia ceder. E assim foi nas negociações gregas. O que está na melhor posição deve tentar ajudar o mais fraco. Tentei fazer isso” - Wolfgang Schäuble em entrevista polémica á revista Der Spiegel, cujo resumo pode ler aqui.

“Fomos contactados para uma reunião com a suposta educadora, afinal, qual não foi o nosso espanto, a reunião era com a directora que fez logo cara de nojo quando viu os meus braços. Durante a reunião sempre com a mesma expressão a olhar para mim, até comentou ‘pois essas tatuagens...” - Clife Barbosa, tatuador que acusa a creche onde tentou inscrever a sua filha de discriminação.


O QUE EU ANDO A LER
Sabia que é a indústria que tem vindo a afirmar-se como a principal actividade investidora em Portugal?
Que o peso dos impostos e contribuições sociais passou de 25% para mais de um terço do PIB em quase três décadas?
Que entre 1994 e 2012 Portugal foi o quarto Estado membro em que a diferença salarial entre homens e mulheres mais cresceu?
Que Portugal é o quarto país da UE em que mais indivíduos nunca acederam à internet?

Não é talvez a primeira escolha que faria como leitura de férias mas se gosta de números, estatística e economia não pode perder estas quase 500 páginas. Já tinha referido o estudo quando foi lançado há pouco mais de uma semana e garanto que vale a pena dedicar tempo pelo menos a alguns capítulos. “Três décadas de Portugal europeu” não é apenas mais um estudo. Publicado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e coordenado por Augusto Mateus, é obrigatório numa altura que tanto se fala e questiona o papel da Europa e do Euro. Só se tivermos uma visão realista de quanto e como evolui a nossa economia e sociedade desde que entramos na União Europeia podemos compreender melhor a actual realidade.

Arrisque. Vai ver que não se arrepende.

Por hoje é tudo.